Falando sobre ISO 9001 - Parte II

Postado por Mauricio Dorneles

4 - Sistemas de Gestão da Qualidade

4.1 - Requisitos Gerais

A organização deve estabelecer, documentar, implementar e manter um sistema de gestão da qualidade e melhorar continuamente a sua eficácia de acordo com os requisitos desta Norma.

Podemos considerar este item é como um resumo da norma, no texto acima diz que a organização deve estabelecer, documentar, implementar e manter um sistema de gestão da qualidade e melhorar
continuamente a sua eficácia de acordo com os requisitos desta Norma, fica subentendido a responsabilidade da Direção no sucesso ou fracasso do SGQ, pois é ela que define e decide as mudanças significativas na atuação da empresa.
É bem comum ela delegar as atividades de manter e melhorar esse SGQ a alguém, mas continuará responsável pelo apoio e por atender as seis alíneas (de “a” até “f”) que compõem o item 4.1 da ISO 9001.
Cada organização define seus documentos com total liberdade, a ISO não interfere nisso porem é necessário tomar cuidados para não criar um monstro lento e burocrático, lembrando que o SGQ não pode tornar os processos lentos.
O importante é que toda a informação necessária ao processo esteja disponível e que não falte e nem sobra nada.

4.2 – Documentação obrigatória

Procedimentos obrigatórios:

4.2.2 – Manual da qualidade
4.2.3 – Controle de documentos
4.2.4 – Controle de registros
8.2.2 – Auditorias internas
8.3    – Controle de produtos não-conformes
8.5.2 – Ações corretivas
8.5.3 – Ações preventivas

Registros obrigatórios:

5.6        – Análise crítica pela direção
6.2.2 (e) – Educação, treinamento, habilidades e experiência
7.1 (d) – Evidências do atendimento dos requisitos do produto
7.2.2  – Análise crítica dos requisitos relativos ao produto (*)
7.3.4 – Análise crítica de projeto e desenvolvimento (*)
7.3.5 – Verificação de projeto e desenvolvimento (*)
7.3.6 – Validação de projeto e desenvolvimento (*)
7.3.7 – Alterações de projeto e desenvolvimento (*)
7.4.1 – Avaliação de fornecedores
7.5.2 – Validação dos processos de produção e fornecimento de serviço
7.5.3 – Identificação e rastreabilidade
7.5.4 – Propriedade do cliente
7.6   – Resultados de calibração e verificação dos disp. de medição e monitoramento
8.2.4 – Evidências de conformidade com critérios de aceitação (indicando pessoas autorizadas a liberar o produto)
8.3   – Natureza de NC’s (*)
8.5.2 – Resultados de ações corretivas
8.5.3 – Resultados de ações preventivas
(*) inclui ações necessárias e/ou resultantes.

Não se esqueça de como fazer para controlar toda essa papelada, mas se o sistema foi bem planejado não dará tanto trabalho, certo!
Para os registros é importante definir sua freqüência e responsáveis pela informação.
Registros são os relatórios diários, semanais, mensais, etc., os documentos e certificados que permitem a rastreabilidade dos materiais, controles, enfim: a “papelada” gerada no dia-a-dia.
É fundamental saber quem emite, quem arquiva, quem analisa e o conteúdo.
Não se esqueça de definir quais são realmente importantes e quais são desnecessários, se não agrega valor, descarte, cuide para não descartar um item exigido pela norma.


Até Mais!